Seleção americana é tetracampeã da Copa do Mundo

A seleção americana de futebol feminino, após uma respeitosa campanha, alcançou o sonhado título da Copa do Mundo da FIFA.

Com vitória de 2 a 0 sobre a Holanda, as norte-americanas se tornaram tetracampeãs no torneio mundial. Megan Rapinoe e Rose Lavelle marcaram os gols da vitória.

Seleção Americana
Foto: FRANCK FIFE/AFP

A Holanda, em sua segunda participação na Copa, entrou em campo confiante para disputar a primeira final na história da seleção. Porém, teve que se contentar com a medalha de prata e se despediu da Copa aplaudida pelos torcedores nas arquibancadas do Parc Olympique Lyonnais. 

A disputa pela taça

Durante a Copa da França, a seleção americana foi eficiente desde o início das partidas em todos os jogos. Em média, as meninas de Jill Ellis conseguiram abrir o placar nos 15 minutos iniciais. A Holanda, que conhecia o histórico de seu adversário, entrou em campo usando o melhor de sua defesa. D. Janssen, S. Van der Gragt, A. Dekker e D. Van Lunteren ajudaram a zaga da seleção holandesa que jogava na retranca.

Os maiores perigos aconteciam nos cruzamentos de Rapinoe e Heath. Mas a marcação da Holanda estava muito atenta, assim como Van Veenendaal que não brincou na defesa e adiou o gol das norte-americanas.

ANÚNCIO

Na segunda metade do primeiro tempo, as holandesas passaram a levar muita pressão dos Estados Unidos. Porém, a defesa continuava invencível e livrava o risco. Em um dos últimos lances da etapa, Alex Morgan deu um chute no canto de Van Veenendaal que precisou se esticar toda pra conter a bola. As defesas da goleira holandesa diante da pressão a elegeram como principal nome da primeira etapa.

As seleções voltaram para o segundo tempo jogando na mesma dinâmica. Porém, numa tentativa de quebrar o cruzamento para Alex Morgan, Van der Gragt acabou marcando falta dentro da área. Pênalti para a seleção americana. A cobrança ficou por conta da capitã da seleção americana. Rapinoe bateu rasteiro no centro do gol e Van Veenendaal, tensa, ficou apenas olhando a bola entrar. O gol foi o 6º de Rapinoe, o que a colocou em destaque como uma das artilheiras da Copa. 

Se o plano inicial da Holanda era levar a decisão para os pênaltis, com o gol de Rapinoe precisaram mudar a estratégia. A equipe se soltou para o ataque e criou uma boa oportunidade com Vivianne Miedema. Porém, a atacante não conseguiu vencer a marcação das adversárias e não finalizou o lance individual. 

Com a abertura das holandesas, não demorou muito para Lavelle conseguir ampliar o placar para os Estados Unidos. A meia conduziu bem a bola até a entrada da área e marcou gol de canhota. 

A seleção americana ainda conseguiu criar outras chances de gol, mas Heath e Morgan não foram eficientes na finalização. Já que o placar era favorável, os Estados Unidos diminuiu o ritmo no jogo e começou a atrasar as holandesas com o passe de bola rápido na zaga. 

Com facilidade na parte final, as norte-americanas já se preparavam no banco de reservas para comemorar o título mundial. Após 6 minutos de acréscimos, a árbitra Stéphanie Frappart encerrou a partida. Os Estados Unidos vence e alcança o tetracampeonato mundial. 

Seleção americana e representatividade feminina

O tetracampeonato representa bem a igualdade dos gêneros no esporte. Nos Estados Unidos, a seleção masculina de futebol ainda não alcançou o título mundial. Por sua vez, a técnica da seleção campeã, Jill Ellis, entrou para a história, após vencer duas copas mundiais consecutivamente. 

O feito só aconteceu uma única vez, com a seleção italiana de Vittorio Pozzo, nas conquistas dos anos de 1934 e 1938.

A conquista da seleção americana aconteceu em uma Copa do Mundo épica para o futebol feminino. A audiência nesta edição do torneio foi maior que o dobro do público em 2015. Com o interesse maior pela modalidade, o torneio conseguiu ser trasmitido pela Rede Globo e valorizou a participação feminina no esporte. 

ANÚNCIO